CLOSE

Uma pergunta cada vez mais relevante: qual é o futuro do corretor de seguros?

Não é de hoje que o papel do corretor de seguros vem sendo rediscutido dentro do complexo cenário de desenvolvimento tecnológico e de informatização dos sistemas. Aqui no blog mesmo já reproduzimos dois artigos sobre o assunto, sendo um de minha autoria, publicado originalmente na edição de junho de 2017 da revista Insurance Corp, e outro escrito em dezembro do ano passado pelo advogado Antônio Penteado Mendonça para o jornal “Estadão”. Os dois artigos estão disponíveis nos links no fim deste post.

Agora em agosto, Antônio Penteado voltou ao assunto novamente no “Estadão” com o artigo intitulado “Como fica o corretor de seguros?”. Dentro do contexto desse assunto, reforço o que escrevi um ano atrás: “A grande vantagem para os corretores é que ‘planejamento econômico e financeiro de vida de uma pessoa ou uma família’ tem por base um relacionamento pessoal e de confiança, além da competência necessária do consultor.” E, quando falamos de relação de confiança, definitivamente, não há tecnologia capaz de substituir essa característica específica da relação entre seres vivos.

Ainda assim, essa característica não é suficiente para a reinvenção e sustentação do papel do corretor de seguros e até mesmo das próprias seguradoras, como explica Antônio Penteado Mendonça. Sem dúvidas, o mundo mudou e temos que mudar junto com ele.

Leia abaixo o artigo completo:

Como fica o corretor de seguros?

O mundo tem passado por transformações inimagináveis nos últimos dez anos. A rapidez e a profundidade das mudanças fazem com que o que fosse válido até ontem deixe de existir hoje, para desaparecer amanhã e ser esquecido em seguida.

A vida pessoal perde diariamente o resto de privacidade que as redes sociais ainda permitem. A exposição pública fugiu do controle e as pessoas podem ser jogadas em situações inesperadas por um filme colocado na internet sem a menor intenção de atingi-las.

No campo profissional, atividades centenárias praticamente desapareceram para serem reinventadas em função de uma nova forma de se fazer negócio, que permite a recriação de algo que a dinâmica da vida engoliu pouco tempo atrás. 

As mais variadas profissões estão ameaçadas. O emprego está ameaçado. O uso da robótica, das comunicações, da identificação de dados, a sistematização das informações, a análise feita por máquinas ameaçam a zona de conforto de milhões de pessoas.

Entre as profissões mais ameaçadas – com várias delas em extinção – estão as relacionadas à intermediação. As mais variadas corretagens estão sendo fortemente chacoalhadas. Basta ver a revolução na indústria do turismo para não se ter dúvida. Da compra de passagens a reservas de hotéis e serviços, passando pelas formas de viagem e hospedagem, o setor está completamente transformado. E as antigas agências de turismo ou se reinventam ou desaparecem. 

Para quem precisa de exemplo mais dramático, o governo autorizou as usinas de álcool a vender diretamente para os postos de combustível, tirando das distribuidoras o monopólio do fornecimento e criando uma realidade que não está clara quanto às consequências da medida.

No setor de seguros, nas últimas décadas, o corretor consolidou uma liderança indiscutível na comercialização dos produtos. As razões para isso são variadas, mas a origem está em duas normatizações legais distintas, que se complementaram para criar o desenho atual. A primeira é o Decreto-lei 73/66, a lei que criou o Sistema Nacional de Seguros Privados, que traz apenas a figura do corretor de seguros como agente autorizado a intermediar contratos de seguros, mas não determina a sua obrigatoriedade na intermediação dos contratos.

A segunda é a legislação trabalhista e a Justiça do Trabalho, que sempre deixaram no ar a possibilidade do reconhecimento do vínculo trabalhista entre um vendedor de seguros não corretor e a seguradora.

Os corretores brasileiros são extremamente competentes, mas nem todos eles são efetivamente corretoras de seguros. Existem corretoras de seguros que foram montadas para se adequarem à lei. Por exemplo, as corretoras cativas de grandes redes varejistas não podem ser vistas como corretoras de seguros tradicionais. E, quer queira, quer não, a internet, em algum momento, vai se consolidar como um canal de vendas importante, se não for por nada, porque as novas gerações fazem tudo através do celular.

Isso quer dizer que os corretores de seguros estão ameaçados? A resposta é: depende. A atividade não irá desaparecer, ao contrário. Mas vários corretores estão ameaçados e, se não fizerem nada, com certeza estão com os dias contados.

Até que ponto o desenho atual irá permitir a sobrevivência dos corretores ainda está escondido nas brumas do futuro. De qualquer forma, é importante salientar que não são apenas os corretores que estão ameaçados. Seguradoras que não aceitarem que o mundo mudou desaparecerão sem deixar saudades.

A zona de conforto foi virada de ponta cabeça e, mesmo com as mudanças ainda não tendo batido com força, elas são inexoráveis e chegarão rapidamente. Quem quiser sobreviver tem os mecanismos para isso. Mas, mais importante, quem quiser crescer tem a chance de fazê-lo de forma extremamente rápida, se valendo das ferramentas que estão aí, esperando serem aplicadas, tanto por corretores de seguros, como pelas seguradoras. Quem sair na frente levará uma enorme vantagem.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

Solicite uma proposta

(exclusivo para empresas)

   * Campos obrigatórios
   ** Com o CNPJ, o seu atendimento será agilizado

 

Quer saber mais sobre o mercado de seguros?

Deixe o seu email com a gente.

Novidades no blog:

O seguro garantia e o desenvolvimento
25 de março de 2019
Como transformar o seguro em um sócio dos negócios?
25 de março de 2019
Em coletiva, presidente da CNseg fala sobre o mercado de seguros em 2018 e as expectativas para o novo ano
26 de fevereiro de 2019
Solicite uma Proposta