DCI dá destaque ao potencial de crescimento do seguro de crédito

O seguro de crédito, um dos principais produtos do portfólio de soluções da Alfa Real, foi o tema de uma matéria divulgada ontem no portal do DCI (http://www.dci.com.br/financas/seguro-de-credito-tem-potencial-para-crescer–id414653.html). Segundo o veículo, apesar dos dados da Susep (Superintendência Nacional de Seguros Privados) mostrarem que a contratação desse tipo de proteção aumentou em 2013 e em 2014, ainda há muito espaço para crescimento. A principal condição para isso é que haja uma maior divulgação das suas características e vantagens junto ao empresariado. O DCI aponta alguns fatores que podem contribuir para aumentar o conhecimento das empresas sobre o seguro de crédito.

Leia abaixo a íntegra da matéria:

Seguro de crédito tem potencial para crescer

Empresários ainda resistem ao produto por causa da cultura brasileira, que vê a proteção como um custo, e o desconhecimento da opção, que pode ser mais vantajoso que antecipar recebíveis

Apesar de pouco conhecido no Brasil, o seguro de crédito, que garante indenização a um credor em caso de inadimplência, cresceu 9,2% de 2012 para 2013, fechando o ano passado com volume de R$ 568,5 milhões em prêmios. Neste ano, até junho, já foram 313,8 milhões. Os dados são da Superintendência Nacional de Seguros Privados (Susep). O mercado para este tipo de proteção – que é voltado para as empresas –, entretanto, ainda tem muito potencial a ser explorado, segundo especialistas ouvidos pelo DCI.
Além de garantir ao credor o pagamento dos recebíveis em caso de calote de uma dívida comercial, o seguro de crédito também serve como gerenciador de riscos nas vendas a prazo das empresas, oferecendo serviços que ajudam a companhia na escolha dos clientes.

Cultura

Para a presidente da Compagnie Française d´Assurance pour le Commerce Extérieur (Coface) no Brasil, Marcele Lemos, o seguro de crédito é pouco utilizado no Brasil, pois o País não tem uma cultura de seguro. “O brasileiro vê a proteção como um custo”, resume. Ela defende que os recebíveis são um ativo importante para o caixa das companhias, e deveriam ser considerados no momento em que o empresário está resguardando o patrimônio da firma.

“Eu questiono aos empresários se eles têm seguro para a planta da fábrica, a frota, o maquinário e a resposta é sim para todos os itens. Quando questiono sobre os recebíveis, contudo, a resposta é negativa”, contou. “Nós temos que chamar atenção do empresariado que, nessa parte, eles estão vulneráveis”, completou.

O presidente da Comissão de Crédito e Garantia da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg), Rogério Vergara, afirmou que a resistência dos empresários ao seguro de crédito remonta à época da hiperinflação. “O seguro de crédito só sobrevive em mercado com inflação controlada. Naquela época, o valor de indenização estava corroído pela inflação e os empresários ficaram com uma impressão ruim deste tipo de seguro”, disse.

Desinformação

Os especialistas ressaltam que outro ponto que contribui para a resistência ao seguro é a falta de informação sobre o produto. Segundo Vergara, enquanto na antecipação de recebíveis feita pelos bancos a empresa recebe 75% do total do crédito, o seguro, em caso de calote, paga uma indenização que representa, em média, 90% do valor da dívida. “As pessoas ainda não têm noção das vantagens do seguro”, comentou Vergara.

Lemos disse que a Conface possui marketing share de 50% no segmento de seguros de crédito. De acordo com ela, isso representa cerca de 280 firmas. “O número ainda é muito pequeno e 60% dessas empresas são multinacionais, ou seja, são grupos que já possuem uma expertise do mercado e levam isso para as filiais do mundo inteiro”, observou.

Conscientização

O presidente da Brasilfactors, João Costa Pereira, defende que é preciso haver uma profissionalização principalmente da pequena empresa, que, muitas vezes, é familiar. “As pessoas têm que perceber que, mesmo se for sólida, uma empresa pode quebrar. É igual seguro de vida: você faz esperando não usar, mas pode acontecer”, disse.

Outro ponto salientado por Vergara para a disseminação do seguro é o treinamento das seguradoras na relação com os corretores. “É preciso haver mais divulgação desse produto às corretoras”, observou.

Na avaliação de Lemos, a conjuntura econômica atual é positiva para o produto. “Aumentou muito a sinistralidade do seguro doméstico – proteção para transações entre empresas do País”, observou.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

cinco × 5 =

Solicite uma proposta

(exclusivo para empresas)

       * Campos obrigatórios
       ** Com o CNPJ, o seu atendimento será agilizado


     

    Quer saber mais sobre o mercado de seguros?

    Deixe o seu email com a gente.

      Novidades no blog:

      Por que o Seguro Garantia não cobre riscos cobertos por outros ramos ou modalidades de seguro?
      13 de abril de 2022
      Seguros para usinas fotovoltaicas exigem atenção às cláusulas referentes à cobertura de perda de aluguel
      22 de março de 2021
      Como funciona o Seguro de Perda de Lucro (lucros cessantes) para geração distribuída?
      24 de novembro de 2020
      Solicite uma Proposta